fbpx
MUSICBOX
Filtrar Eventospor data, mês e tipo...

Antes de tocar na Musicbox no próximo Sábado, 26 de Novembro, conversámos com Shunaji, talento emergente da nova Europa, para conhecer melhor esta rapper, vocalista e produtora de Roma, de rima afiada e voz afinada. A sua mistura de hip hop, jazz, funk, soul e psicadélicos, tem causado sensação, desde a BBC Radio até ao Glastonbury Festival, e podemos agora testemunhar a sua estreia no nosso país, mesmo antes de ela se tornar um nome unânime – que vai-se tornar (acreditem). A conversa foi profunda e sumarenta. Vemo-nos no Sábado!


Crescer como uma pessoa negra em Itália, que agora tem um partido de extrema-direita no poder, deve ter tido os seus desafios. Fez-te sentir como uma forasteira?

Crescer em Itália teve os seus altos e baixos. Não há muita diversidade étnica no país e há, definitivamente, racismo que se manifesta em diferentes aspectos do horizonte social e económico do país. Ainda assim, eu não acho que posso contar a minha história simplesmente de um ponto vista racial, porque também sou uma mulher. E, como experenciei, a cultura mainstream italiana é conservadora e profundamente misógina. Isto resultou numa experiência bastante distinta de misogynoir – ser uma mulher negra, não só negra e também não só mulher. Então, a minha experiência é interseccional e representa a minha identidade completa: classe, género, raça, personalidade e muito mais. Muitas vezes senti-me como uma forasteira pela minha aparência, os meus interesses e o meu background.


Hoje, estou grata pelas dificuldades do passado de ser uma estranha, porque me ajudaram a sentir confortável nas minhas diferenças; permitiram-me realçar a minha singularidade e tornar-me um artista distinta da corrente dominante. Sinto-me confortável nesta existência. Na verdade, próspero sendo uma forasteira. Ao longo dos anos, desenvolvi uma auto-aceitação de que todos necessitam para serem eles próprios. Todos chegamos a essa aceitação por diferentes vias: para mim, foi o bullying, o racismo e a misoginia que me ajudaram a amar-me antes de esperar ser amada por qualquer outra pessoa. Agora, ser capaz de actuar num palco e ser visível, em vez de se esconder, é a mais preciosa vingança para aquelas experiências desafiantes. Quando os meus fãs me estendem a mão para me dizerem o quanto as minhas letras tocaram os seus corações, ou como apreciam a minha integridade artística, sinto-me orgulhosa de mim mesmo por ser resiliente e empurrar através desses tempos difíceis!

Ainda misturas letras itaianas nas suas canções, como é que a música italiana teve impacto no seu som e escrita?

A música italiana sempre me foi muito querida. Não penso muito sobre isso, em termos do impacto que tem no meu som. Os meus ouvintes de Itália provavelmente saberão melhor do que eu! Mas penso que escrevo os meus ganchos musicas e frases num estilo que lembra as baladas italianas dos anos 70 e 80. Isso é o que sempre tocava no carro da minha mãe!

Artistas como Mina, Lucio Battisti, Pino Daniele e Patty Pravo foram os meus primeiros professores a transmitir emoção através da escrita de canções. Em relação aos meus raps italianos, não tenho muitas referências e estou a tentar desenvolver o meu próprio e novo estilo. Alguns artistas italianos que admiro incluem Bassi Maestro, Caparezza, MadMan, Canesecco e Neffa.

“Hoje, estou grata pelas dificuldades do passado de ser uma estranha, porque me ajudaram a sentir confortável nas minhas diferenças”

Em tempos tão difíceis, o que te leva a continuar a aspirar mais?

Penso que depende do que se entende por “apontar mais alto”. Creio que a realização é uma definição pessoal. Para mim, as maiores conquistas são a liberdade artística e o bem-estar. À medida que cresço na minha idade adulta, a minha visão do mundo continua a evoluir. Os últimos três anos têm sido tão desafiantes e penso que na comunidade artística todos temos testemunhado a precariedade dos sectores das artes e do entretenimento. Tenho muitos amigos e conhecidos cuja saúde mental desceu devido a pressões económicas e à escassez de oportunidades. Como resultado, decidi fazer do bem-estar a minha maior prioridade na vida. Como artista, vi que quanto mais protejo o meu bem-estar, mais feliz sou; e quanto mais feliz sou, mais inspirado me sinto para fazer música e partilhá-la com outros.

Também acredito que a verdadeira felicidade está em estar satisfeita no momento presente, que pode ser o resultado de ter conseguido algo, como ser convidada para actuar em Barcelona e Lisboa. Mas pode também resultar de estar “parada”, de não fazer, de levar tempo a apreciar o que tem sido. Fico feliz quando penso nos meus amigos e família, quando reconheço o meu privilégio de estar rodeado de tanta beleza. Esta felicidade ajuda-me a enfrentar os desafios da vida, desde os bloqueios até à actual crise do custo de vida. Amar e ser amada ajuda-me a sair da cama e a secar as minhas lágrimas durante esses momentos baixos. É assim tão simples. Gostaria de dizer que tenho um superpoder ou qualquer outra coisa, mas foi a humildade e a auto-compaixão que me ajudaram a avançar na minha vida e carreira.

Por vezes, penso em tudo o que passei na vida, e em alguns momentos sombrios que vivi em tenra idade. Lembro-me que se sobrevivi a essas provações, posso fazer passar qualquer coisa.

Adoptei esta filosofia porque tenho tendência para ser perfeccionista. Quero sempre fazer as coisas melhor do que antes. Isto é realmente útil mas também pode causar ansiedade e stress para conseguir mais, e mais rapidamente. A aprendizagem chave para mim tem sido que as realizações podem vir a qualquer ritmo. Nos dias de hoje, estamos tão concentrados na gratificação instantânea que tudo parece uma agitação, quando na realidade podemos olhar para o céu em qualquer dia e pensar “Estou aqui hoje, é isto”.

Para onde é que a tua música te levou que nunca pensaste ser capaz de ir?

Nunca consegui arranjar um bilhete para Glastonbury – esses bilhetes são tão difíceis de arranjar!

Em 2019, fui finalista na competição de talentos emergentes de Glastonbury e actuei em espectáculos no festival. Foi uma experiência surreal!


Tu tens estado numa óptima sequência nos últimos anos, lançaste uma série de singles poderosos. O formato de longa duração, o álbum, é algo que queres explorar em breve?

Adoraria gravar um álbum! Como artista independente, está a tornar-se cada vez mais difícil lançar álbuns sem o apoio financeiro significativo que os nossos antecessores tiveram. O Streaming tem reduzido as receitas dos artistas e a maioria das pessoas não compra música da mesma forma que há 20-30 anos, por isso artistas emergentes como eu estão a dar prioridade aos singles porque são mais económicos. É apenas a forma como a indústria da música funciona neste momento! No entanto, tenho a sorte de ter lançado três EPs (Midnight Movie, Blue Melon, Cosmic Blues) e o meu corpo de trabalho é significativo para um período de tempo tão curto como um artista de gravação.

Espero encontrar a editora parceira certa para lançar um corpo de trabalho ainda maior em breve. Neste momento, estou a trabalhar no desenvolvimento da minha direcção criativa e som. Quero lançar nova música e ligar-me aos meus fãs através de novas ideias: Não sou muito exigente quanto ao formato, mas um álbum é definitivamente o meu objectivo a longo prazo! Dedos cruzados!

Shunaji vai estar na Musicbox no próximo Sábado, 26 de Novembro. 

 

LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐

LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐ LIFE IN THE HIVE PUCKERED UP MY NIGHT ☐

X